sexta-feira, novembro 07, 2008

O céu quando brilha, brilha para todos nós!


Sentada num bar em frente ao mar, com um swing perfeito nas colunas, e uma infinidade de velinhas a adornarem as rochas da praia, ela contempla o céu.
A muitos quilómetros de distância, na varanda de um quarto andar, rodeado de vizinhos a jantar por detrás das janelas, ele olha o céu.
Pelo telemóvel, lamentam não poderem estar ali, agora, juntos, abraçados, a sentir aquela brisa morna, serôdia, de Verão.
A certa altura, ele diz-lhe, deslumbrado:
– Estou a ver daqui a Estrela Polar.
Ela sorri e responde:
– Eu também.
– Está brilhante. Intensa. Linda!
– Muito! – Confirma ela, esboçando um largo sorriso como o Quarto Minguante que paira no ar.
– Está ao meu lado esquerdo, nas minhas onze horas – Informa ele.
– Onze menos cinco – corrige ela, perfeccionista.
Ele concorda.
– E, em cima da minha cabeça, estão mais três. Fazem um triângulo – é a vez dela dizer.
– Mhm, mhm – assente ele – da minha também.
– E, à frente delas, mais duas – assegura ela entusiasmada.
– E mais uma pequenina, à direita dessas – acrescenta ele de seguida, entusiasmado também.
E riem-se da situação. Riem da relatividade da distância que os aparta. De como esta se torna ínfima face à imensidão do cosmos: tantos quilómetros a separá-los, [mas] um só céu sobre as suas cabeças.

5 Comments:

Blogger MySelf said...

Grande verdade...

1:54 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Pois é... E assim mesmo acontece, como diria o amigo Carlos Pinto Coelho!

Beijos para si, muitos!
T.

8:56 da tarde  
Blogger mfc said...

Gostei da precião das 11 menos 5 em que os ponteiros se sobrepõem.

5:10 da tarde  
Blogger José M. Barbosa said...

Muito bom. Já faltava.

3:13 da manhã  
Blogger Eterna Descontente said...

Obrigada aos três. Beijos para os três.

2:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home