segunda-feira, maio 11, 2009

A explicação

Como sabem, faz tempo que não sei de Düss El Dwarf, o meu amigo gnomo.
Hoje apareceu-me, inesperadamente, à porta de casa com duas malas pequeninas, uma em cada mão. Ao ver a minha expressão de espanto ao abri-la, elucidou-me:
– Sei que precisas de mim. Sei que te andam, propositadamente, a fazer mal.
Depois, quando já no sofá da sala lhe explodi em pranto no colo, explicou-me:
– Sabes, nós, os homens, somos mesmo assim. Quando estamos apaixonados ou precisamos de vocês, mulheres, andamos à vossa volta como crianças sôfregas pela atenção da mãe. Já quando a vida nos corre bem, tornamo-nos adolescentes rebeldes, ávidos de liberdade e sede de descobrir o mundo, incapazes de controlar os actos e as palavras, mesmo sabendo que estes podem magoar. Às vezes, fazemo-lo até propositadamente: [pequenas] maldades para alimentarmos o ego; para nos sentirmos bem. É mais forte do que nós. Somos básicos. Somos animais!

3 Comments:

Blogger Iris R. Costa Barroso said...

Puro instinto de sobrevivência, é a necessidade de não se sentirem presos, de preservar sua liberdade.

Também gostava de ter um gnomo amigo.

Boa semana!

3:02 da tarde  
Blogger José M. Barbosa said...

Curioso ... também tenho um amigo gnomo. Um espírito da natureza, da terra enquanto elemento. Chama-se Luticali. Confio em si, fica entre nós.

Z.

7:13 da manhã  
Blogger Eterna Descontente said...

Obrigada, Iris, para si também (agora já um bom fim-de-semana ;-))

E pode ter: basta querer muito! :-)

Zé Manel:
Eu sei que tem. Conheço esse seu amigo. Mas não diga nada a ninguém. Por mim, já sabe, sou um túmulo.

7:14 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home